Osteopatia

A Osteopatia é uma medicina manual, que surgiu nos EUA, através do Dr. Andrew Taylor Still (1828-1917), médico-cirurgião que anunciou os princípios desta terapêutica da medicina natural.

É um sistema autónomo e independente, consistindo no diagnóstico e tratamento de problemas estruturais e funcionais do corpo.

A osteopatia é a arte de diagnosticar e de tratar pelas mãos as disfunções de micro mobiliade dos tecidos do corpo à origem de perturbações funcionais. A osteopatia baseia-se na importância do aspecto mecânico do corpo e recorre à métodos de ajustes manuais para detectar e corrigir as disfunções funcionais de estrutura (aparelho músculo-esquelético), vísceras, crânio e sistema neurovegetativo.

Na osteopatia, não existe modelos nem receitas ou protocolos rígidos de tratamento, o tratamento é adaptado e centrado no paciente. O tratamento é baseado num exame clínico: um diagnóstico osteopático deve conduzir a um acto terapêutico, cujas técnicas manuais têm como objectivo restabelecer a mobilidade perdida e dar equilíbrio ao sistema musculo-esquelético, sacro-cranial e visceral, mantendo a elasticidade do tecido conjuntivo, em todos os seus sistemas.

Porem, o osteopata é qualificado para excluir patologias orgânicas e reorientar casos fora do seu alcance, e porque acreditamos num tratamento multidisciplinar faz parte integrante de uma equipa médica para obter a melhor resposta para o seu tratamento.

A validade da Osteopatia é tão concreta que é recomendada e incentivada pela OMS ( Organização Mundial da Saúde).

Quando consultar?

Desde o nascimento até ao fim da vida, todos os seres humanos podem beneficiar de tratamentos em Osteopatia, adaptando-se à todas as etapas da vida.

  • Dores de coluna vertebral : lombalgias, cervicalgias, torcicolos, cervicobraquialgias, dorsalgias, protrusões e hérnias discais, stress.
  • Problemas neurológicos : ciáticas, cruralgias, neuro cervicobraquialgias, síndrome do canal carpico entre outros..., dormências e formigueiros nos membros.
  • Dores nas articulações : ancas, joelhos, tornozelos, pés, cotovelos, ombros, punhos, mãos.
  • Dores nos membros: tendinites, lesões de meniscos, dores musculares, contracturas, epicondilites, entorses.
  • No sistema digestivo : obstipação, digestão lenta, colopatias funcionais, azias, refluxo gástrico, hérnias do hiato
  • No crânio : enxaquecas, otites, sinusites, cefaleias e enxaquecas (dores de cabeças).
  • No sistema respiratório : asma crónica, bronquite crónica.
  • Problemas posturais : dores de alteração postural, cifoses e lordoses sintomáticas, escoliose.

Osteopatia pediátrica : deformações cranianas (plagiocefalia), torcicolo congénito ou adquirido, cólicas, agitação, nervosismo e transtornos de sono, problemas respiratórios, acompanhamento da gravidez, mais detalhes na secção Osteopatia pediátrica.

Osteopatia desportiva : tratamento de lesões (entorses, pubalgias ...), recuperação física, prevenção de lesões, mais detalhes na secção Osteopatia desportiva.

O tratamento :

A osteopatia baseia-se sobre vários fundamentos e conceitos, cujo principal é a interligação de todas as estruturas do corpo humano : o movimento governa a estrutura e a função. A osteopatia revela três grandes princípios que de facto representam uma pratica única:

A osteopatia estrutural ou músculo-esquelética devolve a mobilidade às articulações, restabelecendo cinética articular e muscular através de técnicas manuais de ajuste tissular e osteo articular (no respeito da fisiologia e biomecânica do tecido ou articulação). As técnicas mais usais consistem em :

  • manipulações de impulso para ajustar e alinhar a dinâmica articular
  • manipulações de tracção e descompressão no alivio da dor e rigidez
  • técnicas de tecidos moles para aliviar as tensões musculares, eliminar radicais livres nas fibras musculares, aumentar a contracção muscular e circulação sanguínea
  • técnicas neuromusculares ( trigger points) no tratamento de fibroses ou tecido cicatricial e problemas posturais, entres outras ...


A osteopatia visceral  consiste em restaurar a mobilidade inerente à cada órgão e víscera em casos de transtornos funcionais via o tratamento de aderências e à pressões manuais focadas devolvendo os movimentos rítmicos viscerais. Em todos os casos, é importante excluir quaisquer organicidade (patologia).

A osteopatia craniana ou sacro-craniana baseada na mobilidade dos ossos do crânio, mais objectivável no recém-nascido e na criança, e no eixo sacro-craniano (fluctuaçao do liquido cefalo raquidiano).